José Marques

Em plenário realizado no dia 17 de Setembro, a esmagadora maioria dos cerca de 870 trabalhadores da empresa de Viana do Castelo aprovou uma moção onde se afirma "preocupada" com a falta de encomendas, reivindicando por reestruturação que não coloque em causa nenhum posto de trabalho. "Como se comprometeu, verbalmente, a Administração, em reunião com a Comissão de Trabalhadores, realizada no passado dia 15", lê-se no documento citado.

Segundo a Comissão de Trabalhadores, a proposta de reestruturação da empresa (encomendada pela Administração à Eurogroup) deverá ser comunicada à comissão na próxima quarta-feira (esteve previsto ser no passado dia 15), reunindo os trabalhadores em plenário, no dia seguinte, para a apreciar.

A empresa - que tinha, em Março passado, um passivo situado entre os 35 e os 40 milhões de euros - debate-se com um cenário de "falta de encomendas", encontrando-se a finalizar o último de quatro porta-contentores destinado a um armador alemão. "Fora isso, os estaleiros contam apenas com a componente militar, que não se apresenta como suficiente para ocupar a mão-de-obra instalada", considerou.


José Marques

Confirma-se o que já se sabia. Que a historia da "espionagem" do Governo sobre Belém foi forjada (Louçã, já o tinha dito) pelo assessor do Presidente da República Fernando Lima, que a "plantou" no Público, e que de forma cobarde, queria que a “inventona”nascesse na Madeira, não tendo havido a mínima confirmação factual da inverosímil história.

O acontecimento revela um inacreditável grau de paranóia política para os lados de Belém, que só pode responsabilizar Cavaco Silva, mesmo que não tenha fundamento a alegação de que a acusação foi feita a pedido do próprio Presidente.
Cavaco Silva só tem uma saída para varrer a sua inventona: afastar imediatamente a conspirativa personagem. Quem tem assessores destes tem de se responsabilizar por eles.

O que é verdadeiramente insuportável é a continuação deste clima de desconfiança entre dois dos principais órgãos de soberania nacionais. Viver num país em que um chefe de Estado desconfia do Governo - e parece desconfiar, na exacta medida em que não desmentiu nenhuma das notícias sobre a matéria - roça o delírio

Não votei no Cavaco, pelo contrário. Sabia-se que caso fosse eleito, seria tudo aquilo que um Chefe de Estado não deve ser. Mais uma vez, Cavaco foi igual a si próprio, leu pelo papel aquilo que um qualquer assessor lhe ditou, escolheu mal a data para falar, criou uma série de especulações sobre o que iria falar, para no fundo tudo se resumir a um flop, pior, a uma série de banalidades.

Fonte: Imprensa

José Marques
Embora sem a exuberância de Manuela Moura Guedes, também Fátima Campos Ferreira, Judite de Sousa, Alberta Marques Fernandes, Clara de Sousa e Conceição Lino olham para o jornalismo sob o prisma da intervenção.
mas...
Manuela Moura Guedes critica José Alberto Carvalho e José Rodrigues dos Santos, pivôs da RTP, goza com os currículos dos membros do Sindicato dos Jornalistas e da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, diz que prefere Vasco Pulido Valente a Miguel Sousa Tavares, emfim...

um toque de humor...

Marcadores: 0 comentários | Links para esta postagem | edit post
Reações: 
José Marques
Analogia psicopata a que recorreu a Dra. MFL no debate.
disse: Ana Gomes




Até Mira Amaral, ex-ministro do PSD, escreveu contra Ferreira Leite hoje no Expresso, dizendo abertamente que esta mulher é uma incompetente. Se ele o diz que é economista e ex-ministro de Cavaco. Se dúvidas houvesse, bastava ver as suas performances como ministra das finanças ou até mesmo como candidata. A mulher é assustadora.

Não tem carisma, perfil e muito menos idade para o lugar, altamente cansativo nos tempos que aí vêm. Vi uma pessoa vazia de ideias e não consigo entender como ainda há alguém que veja nela uma solução. Não é uma solução, mas é de certeza um problema. Espero que os portugueses não cometam uma irresponsabilidade que lhe vai ficar cara nos próximos tempos.
José Marques
(é preciso ter vergonha)

http://sergiolopes.files.wordpress.com/2008/10/manuela_ferreira_leite_pedro_santana_lopes1.jpg

É impossível não ver no programa da Dra. Ferreira Leite de políticas de firme combate a medidas da dra. Ferreira Leite.
Assim... se a chegar ao Governo:
  • A Dra. Ferreira Leite extinguirá o pagamento especial por conta que a Dra. Ferreira Leite criou em 2001;
  • A primeira-ministra Dra. Ferreira Leite alterará o regime do IVA, que a ministra das Finanças Dra. Ferreira Leite, em 2002, aumentou de 17 para 19%
  • Promoverá a motivação e valorização dos funcionários públicos cujos salários a Dra. Ferreira Leite congelou em 2003
  • Consolidará efectiva, e não apenas aparentemente, o défice que a dra. Ferreira Leite maquilhou com receitas extraordinárias em 2002, 2003 e 2004
  • Levará a paz às escolas, onde o desagrado dos alunos com a ministra da Educação Dra. Ferreira Leite chegou, em 1994, ao ponto de lhe exibirem os traseiros.

"A política é autónoma da ética e a ética é autónoma da política".


Extracto do artigo de Manuel António Pina, no Jornal de Notícias